O documento elaborado pelo Colabora Moda Sustentável  em parceira com a Prowa passará por uma consulta pública 

Como fazer com que um setor tão heterogêneo quanto a moda brasileira atue em conjunto por uma causa emergencial, como transição para um modelo produtivo mais sustentável? Uma das respostas encontradas pelo Colabora Moda Sustentável, que desde 2017 vem articulando lideranças para conduzir a moda rumo à ética e à sustentabilidade, é um documento de recomendações elaborado a muitas mãos num processo colaborativo e comprometido.  

Conforme a Prowa, consultoria que vem facilitando e trabalhando em parceria com o Colabora Moda Sustentável, uma boa recomendação “é aquela que, se de fato adotada, transforma”. As recomendações “não têm a premissa de serem revolucionárias e nem devem ser utópicas, mas se pautam em alavancas reais, viáveis”. É um formato que vem sendo adotado, em especial, para tratar de questões sistêmicas que precisam de um grande esforço conjunto. 

No caso do documento que está sendo lançado pelo Colabora Moda Sustentável, são cerca de 20 orientações agrupadas em 5 grandes necessidades:

1) desenvolvimento da cadeia e do ambiente de negócios;

2) aumento da oferta de capital;

3) fortalecimento do ecossistema da moda e de suas organizações e atores;

4) ambiente legal e regulatório favorável;

5) geração e disseminação de conhecimento. Todas elas têm grande aplicação prática e apontam caminhos concretos a serem trilhados – envolvendo temas como trabalho digno, certificações e apoio financeiro a projetos de inovação.

O trabalho de construção das recomendações se inspirou nas estratégias para retomada econômica com sustentabilidade elaboradas no Encontro do Colabora Moda em setembro de 2020. Em maio de 2020 foram mapeados mais de 65 estudos, experiências e recomendações no Brasil e no mundo. A segunda etapa começou em julho, quando foram entrevistados 16 especialistas – entre colaboradores de empresas e associações dos setores da moda, órgãos públicos e reguladores, organizações filantrópicas, organizações da sociedade civil, organizações filantrópicas que apoiam a agenda e agentes públicos relevantes para o tema. Ao fim, foram listadas 25 propostas de recomendações, das quais saíram as escolhidas como prioritárias. 

Chegar conjuntamente a essa lista é importante pelo caráter inédito das recomendações para a moda brasileira (ainda orientada por formatos antigos, como a produção linear e o descuido com as pessoas e o planeta). Mas, mais importante ainda, porque só com o apoio e participação de muitas pessoas será possível dar potência e concretude ao conjunto de recomendações. Tirá-las do papel, para que não se tornem palavras ao vento, precisa de muito engajamento do setor em seus diversos elos. E é por isso que a construção das recomendações chega agora à sua última etapa: uma Consulta Pública, que acontece entre 30/09 até 30/10. 

O objetivo da consulta pública é colher os subsídios do setor como todo e engajar os atores sociais, empresas e organizações no movimento de construção das recomendações, que ao final serão um instrumento para nos guiar no caminho da sustentabilidade.

Não à toa, a abertura da participação pública acontece logo após a realização do Encontro Colabora Moda 2021. Com o tema “A Década da Regeneração”, a plataforma colocou em pauta a urgência de recuperar o planeta, as relações de trabalho e – sim – a moda. Dar peso às recomendações é um movimento que direciona pessoas e empresas a agirem com um objetivo comum e que pode transformar a moda em uma agente ativa por um futuro bom para todos. Quer fazer parte? Para acessar, consulte a página dedicada às recomendações no site: colaboramodasustentavel.org.br/recomendacoes.