Quando me reuni pela primeira vez com os participantes convidados a integrar uma iniciativa que já nascia ousada, com a proposta de trazer um olhar multissetorial para a moda brasileira e apostando na relevância e interesse nacional, confesso que me senti em casa.

Semanas antes desse dia, eu havia sido entrevistada por um time que buscava identificar “atores” com potencial de, ao compreender as necessidades e urgências, liderar movimentos de transformação da moda brasileira – tão diversa, tão complexa e tão importante como pilar econômico, social e cultural do Brasil.

Já na entrevista, que foi absolutamente profunda, senti o chamado para participar, e prontamente me coloquei à disposição (já ansiosa e curiosa pelo encontro).

Nosso primeiro encontro (e todos os que seguiram) foi marcado por um clima de total acolhimento. Desde o momento inicial, onde éramos um grupo de pessoas que pouco ou nada sabiam umas das outras, até o momento atual, quando escrevo este breve relato, me vêm à mente a energia, a sinergia e a alegria de estar entre tantos que acreditam na possibilidade de construirmos uma moda mais ética, justa e sustentável.

Fazendo muito curta uma história que já completa 4 anos, participar do Lab Moda Sustentável tem sido uma verdadeira jornada. Fomos todos convidados a revisitar nossos valores, nossas crenças e a partir de alguns pontos comuns, ainda que com visões muito divergentes, caminhamos para formular cenários futuros e possíveis para a moda brasileira.

Com o Mapa Sistêmico,identificamos as alavancas para impulsionar a ‘Teoria da Mudança’, também construída pelo time, que nos ampliou a consciência e tem gerado a motivação necessária para prosseguir.

Desde aquela reunião inicial, o time cresceu, se fortaleceu (alguns ficaram pelo caminho, como é natural da vida). E hoje, em 2021, estamos ainda mais convictos que independente dos desafios é SIM possível transformar as condições de produção e do consumo da moda em toda sua extensão.

Não só é possível, como é urgente, necessário, desafiador e complexo. O cenário atual acelerou as desigualdades e afetou ainda mais todo ecossistema.

Pessoalmente, participar do Lab Moda Sustentável foi um divisor de águas em minha jornada profissional. Desenvolvi novas competências, adquiri um olhar muito mais sensível para questões que antes eu não enxergava. E assim estou aqui disposta a prosseguir e contribuir para essa indústria que tantos empregos gera, e que está convidada a se reinventar.

Existe sempre um “caminho do meio” possível de ser trilhado. Afinal são as nossas escolhas do presente que moldarão o futuro. Sejamos consistentes e conscientes quanto a nossa responsabilidade.

_____Amélia Malheiros é participante do Lab Moda Sustentável e gestora da Fundação Hermann Hering